Prefeitura de Marília renova convenio por 5 anos com projeto Reciclaetec

PREFEITURA DE MARÍLIA RENOVA O CONVENIO POR 5 ANOS PROJETO RECICLAETEC -

http://www.visaonoticias.com/mobile/noticia/40348/prefeitura-renova-convenio-com-o-projeto-reciclaetec-por-mais-cinco-anos

Laboratorio 4 Hardware

Projeto de reciclagem tecnológica tem como objetivo receber e reciclar equipamentos de informática. Os equipamentos recebidos serão reciclados permitindo a sua reutilização, e doados a população carente o que possibilitará a inclusão digital e social destes indivíduos.

A administração da Prefeitura de Marilia, não mediu esforço para renovar com a Etec o convenio do Projeto Reciclaetec por 5 anos Apartir do dia 01/11/2019, este projeto atende a comunidade de Marília desde 2011, liderado pelo Professor Fábio Henrique Zanella Moura que atualmente é também presidente do Rotary Club de Marília.

Já fizemos mais de 2000 doações de computadores para os alunos da Etec, entidades da cidade e também na região de Marília, foram agraciadas com um computador ou dois ou três dependendo do pedido.

Outra preocupação é o aspecto ambiental, pois estes equipamentos que estariam destinados a sucata e não forem reutilizados serão de manufaturados e seus componentes terão a devida destinação de acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, recentemente sancionada. A lei se refere a todo tipo de resíduo: doméstico, industrial, construção civil, eletroeletrônico, lâmpadas de vapores mercuriais, agrosilvopastoril, da área de saúde, perigosos, etc., fazendo a distinção entre resíduo, lixo que pode ser reaproveitado ou reciclado e rejeito o que não é passível de reaproveitamento.

Esse projeto, além de estar em consonância com os ideais de sustentabilidade, traz uma inovação para a cidade de Marilia e Região. Atualmente, com a rápida evolução da tecnologia, muitos computadores em bom estado de conservação são descartados, transformando-se num grande problema: o destino deste resíduo.

Hoje ao Reciclaetec, temos um convenio com o DAEM, PREFEITURA MUNICIPAL DE MARILIA, de 05 anos, fazendo descarte consciente, das secretarias do governo de Marília.

A POLICIA CIVIL, POLICIA FEDERAL através de uma parceria do governo do SP e as ETEC e Fatec recebemos também computadores apreendidos e caça-níqueis que são desmontados e suas peças serve de ensino para os alunos da Etec. As empresas privadas também descartam com o projeto são elas DORI, CASA SOL, INTERLAGOS, UNESP ASSIS, SANTA CASA, FACCAT TUPÃ, ETEC, FATEC entre outras.

Recebemos computadores desde 2011, fazendo trabalho social e educacional e sustentável em Marilia e região, já doamos computadores e montamos salas de aulas informatizadas em escolas como CACAM, LAR DA CRIANÇA, COMUNIDADE BOAS NOVAS, ETC.

Com projeto os alunos da Etec aprendem uma profissão em manutenção de computadores atendendo junto ao mercado de trabalho, além disso fazem computadores para doações para os alunos da Etec e também para comunidade carente.

Temos parceria com a Lorene importadora de produtos eletrônicos e também coma AGape Eletronicos onde também emitimos o certificado de descarte do material eletrônico para empresa. Não cobramos para retirar o Lixo Eletrônico da cidade e nem das empresas órgão públicos, somos pioneiro na cidade desde 2011.

Quem quiser fazer doações basta ligar para fones (14) 99761-3568, 14-99750-1073, 4101-8552, falar com Fábio Moura ou mesmo levar direto na Etec Antonio Devisate, na av. Castro Alves, 62, horário das 8 ás 21h de 2º a 6º .

No site para ver as ações e fotos do projeto no site www.reciclaetec.com.br.

 

 

 

Projeto ensina a transformar sucata em computador no interior de SP

Edio Junior/Folhapress
O professor Fábio Henrique Zanella Moura, que monta computadores com peças velhas em seu curso em Marília
O professor Fábio Henrique Zanella Moura, que monta computadores com peças velhas em seu curso
No interior de São Paulo, máquinas ultrapassadas e equipamentos que iriam para o lixo passaram a ser reciclados para que se tornem computadores para crianças pobres e projetos sociais. Computadores, impressoras, monitores, notebooks, teclados, mouses e impressoras que antes seriam recolhidos pela limpeza pública e acabariam sem utilidade servem agora de base para a composição de máquinas “novas”. A iniciativa começou há seis anos em Marília (a 435 km da capital paulista) e já possibilitou a doação de 300 computadores, possibilitando destinação adequada para o lixo eletrônico. ”Em vez de as empresas, escritórios e até órgãos públicos jogarem fora seus antigos computadores, passamos a recebê-los na escola”, explica Fábio Henrique Zanella Moura, idealizador do projeto e professor de informática na escola técnica estadual Antônio Devisate. Ao ministrar um curso de computação na instituição, o docente se deparou com uma alta evasão. ”O motivo era nítido: tínhamos apenas cinco computadores para uma turma de 40 estudantes, num curso onde as atividades práticas contam muito”, afirmou. Sem verba para novos equipamentos, procurou empresários e órgãos públicos da cidade e pediu a doação de equipamentos velhos, que não eram utilizados. Ao lado dos alunos, transformou essas máquinas ultrapassadas nos novos computadores.”Através do projeto, além de estimular a ajuda ao próximo, os estudantes colocam em prática muitos conceitos estudados na teoria. E isso facilita muito”, disse Renato Augusto de Paula, atualmente auxiliar docente no laboratório de informática do colégio e ex-aluno do curso.Já receberam doações entidades que atendem crianças e adolescentes, universitários sem condições financeiras e projetos para alunos pobres de municípios vizinhos, como Vera Cruz, Garça, Assis, Oriente e Duartina.Cada máquina doada é composta por CPU com DVD, monitor, teclado, mouse, caixa de som e estabilizador, com configuração para acesso à internet.Um convênio com a Microsoft possibilitou a instalação de Windows e do pacote Office. Com os programas originais instalados, cada computador doado teria um valor de R$ 1.260 se fosse vendido.Após o sucesso dos primeiros equipamentos reciclados, que foram usados na própria escola, o projeto –batizado de “ReciclaEtec”– cresceu e passou a ser administrado pela associação de pais e alunos do colégio.A iniciativa se mantém com a venda de parte da sucata eletrônica, que não serve para os computadores novos, a ferros-velhos. 

Participação da FETEPS – 2015 como projeto destaque em Ação Social

O Projeto de reciclagem tecnológica tem como objetivo receber e reciclar equipamentos de informática. Os equipamentos recebidos serão reciclados permitindo a sua reutilização, e doados a população carente o que possibilitará a inclusão digital e social destes indivíduos.

Outra preocupação é o aspecto ambiental, pois estes equipamentos que estariam destinados a sucata e não forem reutilizados serão desmanufaturados e seus componentes terão a devida destinação de acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, recentemente sancionada. A lei se refere a todo tipo de resíduo: doméstico, industrial, construção civil, eletroeletrônico, lâmpadas de vapores mercuriais, agrosilvopastoril, da área de saúde, perigosos, etc., fazendo a distinção entre resíduo, lixo que pode ser reaproveitado ou reciclado e rejeito o que não é passível de reaproveitamento.

Esse projeto, além de estar em consonância com os ideais de sustentabilidade, traz uma inovação para a cidade de Marilia e Região que tem quatro faculdades, sendo duas de Tecnologia, onde o descarte do lixo eletrônico, sobretudo equipamentos de informática, é um caso ainda com poucas soluções.

Atualmente, com a rápida evolução da tecnologia, muitos computadores em bom estado de conservação são descartados, transformando-se num grande problema: o destino deste resíduo.

Pensando nisso, professores e direção pretendem criar um espaço na ETEC, para reciclar os computadores e doar as instituições assistenciais de Marilia, a Comunidade Escolar da ETEC e a população que não tem acesso a esta tecnologia.